"30 de 22", ou "Por que não estou mais decepcionada comigo mesma"

     Há exatamente 4 anos, eu publiquei neste blog um grande desabafo sobre a minha vida, intitulado 30 de 18, ou “Por que estou decepcionada comigo mesma”. Um mês depois de completar 18 anos, eu coloquei um espelho diante de mim e não enxerguei nada além de coisas que me frustravam, decepcionavam, chateavam. Naquele dia, eu odiei ser eu, não pelo que eu era, mas pelo que eu estava me tornando. No dia seguinte, um vídeo também (pode assistir também).

     Depois daquele 28 de Março de 2013, eu ainda me frustrei muito. Poucas semanas depois, tive uma grande frustração amorosa. Ainda tive outras, meses, anos depois. Tive muitos altos e baixos nas expectativas profissionais. Fiquei obcecada por dezenas de coisas diferentes, de ideologias políticas a séries de TV. Coloquei minha identidade em todas elas, e descobri que não me encaixava em nenhuma. Engordei, emagreci, engordei mais, emagreci de novo, e agora não sei bem. Pintei mil quadros e escrevi dois mil textos, tentando me expressar. Mudei de país, vivi vários sonhos, e voltei pra casa com o gosto amargo de quem descobre que lutou por algo que nem era tão importante assim. Eu vi meu castelinho de areia da vida desabar. E uma das minhas avós faleceu também.

     Passado esse tempo, ainda curto, mas significativo, eu coloco diante de mim, aos 22, o mesmo espelho dos 18. É curioso observar que várias das feridas, mesmo cicatrizadas, ainda doem, como se pudessem se abrir a qualquer momento. Acontece que, essencialmente, este espelho reflete as mesmas coisas que refletia há quatro anos. Minha vida ainda parece um retumbante fracasso, diante das expectativas que eu cultivava sobre mim mesma. A grande diferença hoje é que eu resolvi trocar de espelho.

     Aqueles fracassos não me assustam mais, porque aquelas expectativas não importam. A Luisa de 18 queria ser dona do próprio destino, e se esqueceu que, logo quando nasceu, sua vida foi consagrada ao próprio Autor da Vida. Eu achava que as coisas mais importantes que eu faria na vida viriam antes dos 18, sendo que existe muito mais pra ser vivido. Eu me esforçava pra ser reconhecida pelos homens pelo que eu fazia, como uma extensão do que eu era, mas não percebia que isso me fazia morrer.

     Eu sou feliz hoje. Não como quem acha que já fez o bastante, mas como quem sabe que tá a caminho, no Caminho certo. Eu olho ao meu redor e vejo que, em todo esse fracasso aparente, tem sido gerada uma vida que tem significado. O maior projeto da minha vida não é cumprir meus planos, mas completar a carreira exata para a qual eu fui criada. Se os propósitos se cumprem hoje ou daqui a 25 anos, não importa. E não é que eu não tenha dias frustrados, tristes, ou desanimadores – a vida continua sendo vida. Mas, quando parece que eu vou cair, eu descubro que existe uma segurança maior, como uma rede de proteção me protegendo do abismo.

     A maior frustração que eu experimentei na minha vida foi descobrir que toda a minha racionalidade não era suficiente pra conter a tempestade de sentimentos dentro de mim. Mas a resposta disso foi a Voz que acalmou os mares sussurrando paz à minha alma. A Paz que transcende todo entendimento é sentar-se no barco dentro do mar agitado e ter a certeza de que, qualquer que seja o fim da história, eu confio o bastante nas mãos que estão escrevendo, mãos furadas na Cruz, que também seguram o universo e também meu coração. Agora, me parece que tem um tornado vindo, mas tá tudo bem. Se eu e o barco afundarmos, no final, eu também sei pra onde vou. Dá pra ficar decepcionada, assim?

31 Devocionais #11 – Eu falhei

    
     Eu falhei.
     
     Este é o texto nº 11 desta série de devocionais, mas, postado neste dia, deveria ser o nº 12. Isto porque, ontem, minha desorganização e o cansaço me venceram e eu definitivamente não consegui cumprir com meu propósito. Perdi um dia, e nem consegui me levantar de madrugada pra tentar fazer a todo custo. Falhei.
     
     Parece pouca coisa pra quem vê de fora – ainda que possamos falar de qualquer coisa ligada à compromisso, seriedade, desafiar-se, etc. Acontece que o mais importante não é o compromisso que eu tenho comigo mesma – por mais bobo que isso pareça, estes textos são um propósito feito e selado diante do Senhor. Em Mateus 5:37, nos ensinamentos do Sermão da Montanha, Jesus diz que a Palavra de um cristão deve ser fiel em si mesma – nosso “sim” deve ser “sim”, e nosso “não” deve ser “não”. Isso demonstra não apenas um compromisso com a verdade e a honestidade, mas o peso e a importância de tudo aquilo que dizemos, tanto diante dos homens, ainda mais diante de Deus.
     
     Estes textos são um propósito de louvor e dedicação a Deus, mas, como discutido nos dias anteriores, tudo que nós fazemos deve ter um propósito de louvor e dedicação a Deus. Até as menores coisas. Mas, apesar do peso que a falha traga sobre meu coração, a Bíblia nos conta que nós temos Graça ao nosso alcance, e um Sumo-Sacerdote que não só é capaz de compadecer-Se das nossas dificuldades, mas que nos mostra com Seu exemplo que é possível ser plenamente Fiel. Ontem, eu falhei, mas hoje eu me levanto e continuo.
     
     “Como posso retribuir ao Senhor toda a sua bondade para comigo? Erguerei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor. Cumprirei para com o Senhor os meus votos, na presença de todo o seu povo.” Salmos 116:12-14