31 Devocionais #9 – Amadurecer e Crescer

    
     A Bíblia é um livro atemporal, e grande parte dessa atemporalidade vem da facilidade com que o texto dialoga com pessoas de várias idades e diferentes contextos. Uma das principais ferramentas utilizadas para isso são metáforas, especialmente aplicadas sobre os grandes princípios, para que sua compreensão ultrapasse as gerações. No entanto, muitas vezes alguns exemplos parecem se chocar um contra o outro, e o papel do Espírito Santo é ser Aquele que nos dá a interpretação da Palavra.
     
     Em Mateus 18:1-4, Jesus diz que devemos receber o Reino dos Céus como uma criança. Porém, em 1 Coríntios 13:11, Paulo diz que devemos crescer e abandonar as coisas de menino. Apesar de aparentemente contrários, os dois versos são na verdade complementares – o Senhor quer nos ensinar a importância de amadurecer na fé e nas atitudes, mas nunca crescer.
     
     Importa que nós recebamos o Senhor e Sua Palavra com a humildade de uma criança, que nada sabe, e aprende tudo com seu Pai, mas cujo aprendizado constante permite que ela possa aprender coisas cada vez mais complexas e profundas. Importa que, depois que aprendamos a andar, não mais engatinhemos. Importa que, depois que aprendamos a mastigar alimentos sólidos, não mais busquemos papinhas. Importa que haja progresso. Importa que nossos olhos, nossa mente e nosso espírito estejam em sintonia e desenvolvam discernimento. Importa que haja amadurecimento.
     
     Porém, uma criança não adquire suas liberdades apenas no amadurecer, pois importa também seu crescer. E, no Reino dos Céus, não devemos jamais crescer, e alcançar independência do Pai. Importa que, mesmo que saibamos mastigar alimentos sólidos, ainda precisemos ser alimentados por Ele. Importa que, mesmo que saibamos andar, ainda seguremos nas mãos dEle. Importa que haja vulnerabilidade, para que nunca saiamos para a guerra sem que o Pai vá conosco. Importa que haja dependência.
     
     Importa-nos que possamos sempre amadurecer em nossa caminhada com o Senhor, mas nunca crescer o bastante para que acreditemos que podemos continuar caminhando sem Ele. Ele é o próprio Caminho.
     

    
     

De novo, madrugada.

     Eu sempre vi o Sol nascer. Desde pequena, mamãe gostava de madrugar, e eu a acompanhava. Também sempre vi as estrelas em seu momento mais brilhante – na madrugada mais densa, das luzes mais apagadas. O escritório de papai sempre foi em casa, e eu sempre o acompanhava em suas muitas madrugadas de trabalho.

     O começo da manhã é sempre mais solitário. Poucas pessoas acordadas, a maioria fazendo café, desligando despertadores, sob as cobertas. Trabalhadores nos ônibus, o Sol surgindo no cantinho da minha janela. Minha irmã dormindo, quase desmaiada. Mamãe vindo até mim “Já está acordada, pirulita?”. Sempre os melhores programas de tevê. A madrugada é silenciosa, calma. Só os sons do mouse. Eu desenhava o tempo inteiro, bons tempos de pixel art. Papai escutava blues e Sérgio Lopes. Às vezes me mostrava algo que estava fazendo, ou entrava no The Die Line e me convidava pra fazer uma pausa. Eu permanecia ali até que mamãe acordasse e me mandasse ir pra cama. Às vezes eu ia, às vezes não.

     Os tempos passaram e a escola se intensificou. Dormir tornou-se imprescindível. Fiquei por muitos anos vivendo uma vida de horários medíocres, sofrendo com alguma insônia por bastante tempo. Vivia das 5h até as 23h. 22h era incrivelmente tarde. Isso, claro, até que entrei na faculdade. Eu posso ser exagerada, mas existe algo de muito bonito, apesar de deprimente, em ficar tantas noites acordada, seja em casa ou na universidade. As madrugadas e o mais primitivo das manhãs são próprias de quem as presencia, em silêncio ou fazendo muito barulho. Eu soube que algo realmente havia mudado quando 23h tornou-se cedo. Significava que eu ainda tinha toda a madrugada pela frente até que meu prazo de serviço se encerrasse.

     Parei de ser acompanhante das madrugadas, tornei-me dona delas. Tornei-me dona da cadeira em que me sento, e de onde assisto o Sol se pôr e, várias horas depois, na mesma posição, seu ressurgimento. Minha sobrevivência momentânea passou a depender disso. Prazos, datas, entregas, trabalhos, maquetes, seminários, projetos, e a madrugada como a excelência do processo. Meu melhor momento. Já passou da meia noite e ainda parecem oito. Da manhã ou da noite. Sempre parece bom e certo viver meio nas sombras. Fazer acontecer quando as pessoas estão dormindo.

     Essa semana, vi três vezes o Sol nascer de uma janela que não pertencia nem a mim, nem a nenhuma das outras pessoas que estavam comigo. Minha mesa estava bagunçada, meus olhos, inchados, e meus dedos doíam do desenho. Desliguei uma das dezenas de músicas que havia escutado em todas aquelas horas e observei tudo que estava ao meu redor. Mais um amanhecer. Mais um dia da minha vida. Não sua, não nossa, não deles. Minha. Mesmo que mamãe ainda vá me buscar às 7h, na universidade. Mesmo que ela faça um lanche para que eu leve. Mesmo que, quando eu vá pra casa, encontre-a, e papai, ainda trabalhando pra que paguem minhas contas também. Estou construindo minha história, num lugar que é só meu. Com um povo que é só meu, e ideias que são só minhas, e motivos que são só meus; estou construindo minha história, um amanhecer por vez.