"O Patinho Feio" não é sobre Beleza

      For the English version, click here.

Talvez sejam os filtros, a maquiagem e a academia, mas a maioria de nós parece carregar dentro de si o sentimento de ter sido um patinho muito, muito feio, que cresceu e se tornou um belíssimo cisne de pescoço longo e elegante. Sinceramente, um pouco de auto estima não faz mal a ninguém, e longe de mim questionar o quanto uma pessoa consegue se amar mais hoje do que ontem.

     No entanto, crescer e entender como a percepção de beleza das pessoas é nociva me fez rejeitar fortemente a importância disso na minha vida. Pode ter sido um excesso de exposição à Funny Girl, mas a última coisa que eu quero que se destaque sobre mim é o quão bonita eu sou ou não. Eu gosto de ter e manifestar uma personalidade que fale mais alto que todas as coisas – sem necessariamente gritar sempre, mas na maioria das vezes.
     Neste pensamento, eu observava as dúzias de cisnes que moram no rio logo em frente à minha casa.
     Uma coisa interessante que o estudo da arte me proporciona é pensar demais sobre as coisas a ponto de extrair dela significados ocultos e até então (pra mim) inexistentes, mas suficientemente reais para que meu subconsciente aprenda com eles. Provavelmente Hans Christian Andersen estivesse realmente apenas se lamentando por ter sido uma criança tão feia e desengonçada e se regozijando pela beleza e glória que os anos lhe trouxeram, mas eu prefiro entender O Patinho Feio como uma história sobre identidade.
     Se você nunca viu cisnes, saiba que eles são aves enormes, que limpam suas penas brancas cuidadosamente, e espirram água nas pessoas que não jogam pão na água pra eles (mas isso deve ser mal dos meus vizinhos mal acostumados). Seus filhotes são cinzentos e devem ser as criaturas mais desengonçadas e felpudas que nadam em águas doces. Quando os patos se misturam com os cisnes no rio, é bem fácil entender que um grupo não se encaixa com o outro.
     Depois de ser rejeitado pela mãe, irmãos, e basicamente todas as outras figuras que encontrou em sua vida, o patinho, até então, acreditava piamente ser apenas muito azarado na vida. Mesmo já conhecendo os cisnes, de ver e ouvir falar, ele não conseguia se enxergar como um deles porque não passava pela sua cabeça que ele fosse qualquer coisa além daquilo que ele havia escutado sua vida inteira. Sua identidade era deturpada, como um espelho embaçado no qual ele se olhava e enxergava apenas decepção.
     A vida é meio ingrata mesmo com quem não se encaixa de primeira, porque existe pressa; o mundo nunca para de girar pra que você desça e pegue o bonde em outro planeta. Nisso, a gente entende com dor no coração as desventuras do pobre patinho perdido. Há quem diga que o conto valoriza uma ideia de que exista uma superioridade entre os diferentes tipos de pessoas. Eu entendo que a maior alegria do patinho não foi descobrir que ele era belo como as aves que ele admirava – nem ter se tornado o mais belo de todos – , mas ter encontrado seu lugar, onde ele finalmente seria bem recebido, bem cuidado, compreendido – e não congelaria solitário durante o inverno.
     Uma das maiores alegrias na minha vida é, depois de muita dor e sofrimento, ter descoberto quem eu sou, e ter encontrado um lugar, ou vários, em que minha presença seja desejada, em que eu cresça e faça as pessoas crescerem. Eu diria que sou um cisne hoje cercado por vários outros, mas poderíamos ser patos também, ou gaivotas, ursos, joaninhas, corvos. Posso não estar feliz todos os dias, mas eu sou feliz só por saber que eu sei quem sou e pra onde vou. O patinho feio abriu suas asas enormes e voou, e eu estou indo atrás. Espero que você um dia possa vir também.

Nada escapa aos Teus olhos.

     For the English version, click here.

     Existe um mistério por trás dos olhos do Pai.

     Pra ser sincera, existe um mistério por trás de todos os olhos que estão por aí, já que fomos feitos à imagem e semelhança dEle. Como são incríveis as muitas visões que podemos ter uns sobre os outros, e como eu gostaria de me enxergar pelos olhos de outros, e como eu gostaria de emprestar meus olhos para que outros vissem valor naquilo que é precioso para mim.
     Mas os olhos do Senhor passam por toda a Terra. Somos 7 bilhões hoje, mas nosso Deus Forte conhece cada pessoa que já andou por este planeta. Cada pessoa que já morreu já esteve sob o olhar do Pai uma, duas, tantas vezes. Ele vê tudo, aleluia. Ele conhece tudo, glorifiquem Seu nome. Não há onde possamos nos esconder, que Seu Amor não nos encontre – pois o Senhor não é um que nos vigia como um cão de guarda, porém um que cuida de nós.
     Deitada aqui na minha cama, muito depois da minha hora de dormir, enquanto penso sobre quem sou, ainda acho incrível que o Senhor tenha me visto, e me escolhido. Não posso culpar aqueles que acham difícil acreditar que Deus os ama e tem um plano para eles – apesar da nossa geração acreditar que o mundo gira em torno de nossos umbigos, os números de depressão e baixa auto-estima crescem. O mundo é tóxico à nós – às nossas identidades, à cada uma das nossas características e peculiaridades. Tudo nos é roubado, tudo é uniformizado. Eu já estive assim – não sabia quem eu era, pra onde ir, sem propósito. Só medo, e dúvida.
     Mas, nessa multidão de 7 bilhões, nada escapa aos olhos dEle.
     Pra ser sincera, eu não acho que seja grande coisa. Nenhum de nós é, não podemos fazer nada sozinhos. Somos limitados, mas Ele faz por nós tudo aqui que não poderíamos fazer. Quando caímos, quando nos perdemos, quando nos calamos, quando toda esperança se esvai, Ele está lá, esperando que clamemos Seu nome. Ele é a luz que queima mais que o Sol, e eu sou só uma coisinha de nada, me gloriando no Senhor. Eu celebro minha vida, os anos que se passaram, os que virão, o que estou vivendo. Celebro cada dia difícil, celebro as dores de ir e vir, porque o Senhor vai adiante de mim cada vez que dou um novo passo.
     Eu acredito que o mistério da piedade se basta em como o Deus Glorificado nos mantém seguros em Seus braços, e, apesar da nossa pequenice, tem um propósito para nós. E Ele só nos diz a verdade, e Sua verdade nos liberta – quando o mundo nos diz que somos fracos, e pequenos, e nos sufoca com suas perfeições inalcançáveis, o Senhor é misericordioso, e Suas misericórdias se renovam a cada manhã, e nós nos alegramos nas nossas fraquezas, pois é nelas que o Poder dEle se aperfeiçoa a nos faz forte.
     Os anos podem passar, mas meu coração permanecerá maravilhado por esse Amor que me salvou, e que me salva todos os dias, do qual eu nunca serei merecedora. Eu nasci para a glória do Senhor! Meu Pai cuida de mim. E que o mundo inteiro saiba que eu sou amada, todos os bullies, todos os senhores, todos saibam que o Senhor é meu escudo, o meu melhor Amigo, que levanta minha cabeça e me toma pela mão direita quando o mundo cai ao meu redor. Havia, sim, um mistério por trás dos olhos do Pai, e eu olhei através deles, e eu descobri – eu sou dEle, e Ele é meu.