Sorria

Sorria, sorria.
Pela grande tristeza que paira sobre sua cabeça pesada, e pela nuvem de fumaça que a cega e a faz tossir.
Sorria, sorri.
Suas mãos são tão fracas que já não sustentam o peso das mágoas, feridas e desgraças.
Sorria, sorria.
Não há ódio que supere o nojo e a repulsa que passeiam pelas suas entranhas.
Sorria, sorria, sorria.
Se existisse mazela pior que ser morta, com certeza faria parte de sua existência.
Então sorria, sorria.
O seu coração amarga as palavras pestilentas e sujas que jogaram sem pena sobre sua surdez.
Sim, sorria, sorria.
Conte seus inimigos até os dedos dos pés, depois os amigos falsários, e guarde três dedos para os amigos de verdade.
É, sorria, sorria.
Enquanto as aves voam, com asas tão majestosas, suas pernas pesadas e seu pés inchados a seguram no chão.
Mas sorria, sorria, sorria.
Só sorria, sorria, sorria.
Sorria, sorria.
Simplesmente por sorrir.

[Imagem: Tumblr]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s