Do clichê dos corações viajantes

Das melhores viagens, não se volta totalmente;
Fica o coração, um pedaço da alma, um sorriso travado,
Preso entre as pedras da rua –
Da última rua em que pisei, antes que fosse embora.
Das melhores viagens, não se esquece totalmente;
O tempo e o vento transformam as boas e más lembranças
Em um só sopro de memória, revigorante e fresca
Como a brisa do nascer do Sol depois de uma noite virada
As melhores viagens não são superadas totalmente;
E qualquer forma de retorno causa a insegurança
De não experimentar da mesma intensidade, da mesma alegria,
E preservar a beleza dos momentos únicos experimentados.