À Quinta Hora

“Tudo tem uma moral: é só encontrá-la.”
                                                             Lewis Carroll
 
À luz tremida
Que suspensa dorme, glorificada,
Em lustres pesados, de cor doirada,
Cinco rumores pairam, deslumbrados,
Tão indignamente penta versados
 
Um olho mágico e brilhante
Desliza por tantas desgraças;
Cinco negras gralhas grasnam!
Ah, jamais poderia a Morte Rubra, mascarada,
Ser devidamente acobertada
 
Um miado azulado
Flutua por ventos meridionais;
Trinta e cinco vidas
São cinco sorrisos enevoados
Em clones penta esfumaçados
 
Malditas se tornam as flores
Quando, em sangue escarlate, pintadas;
E, ao contemplar uma faustosa figura,
Passante tão aveludada,
Tão bela e penta glorificada!
 
Então, à quinta hora,
Penta escorridas e penta apressadas,
Vêm percorrendo cinco estradas;
E, nessas ruas, cheias de glória passada
Que foram, em menos de cinco minutos, atravessadas.