Sobre o vencido de Augusto dos Anjos

“Este ambiente me causa repugnância…” – Augusto dos Anjos
 
O vento afastado e dobrado,
a terra molhada e pesada,
as tumbas vazias e frias,
as pedras escuras e nudas.
 
Nem líquens, nem musgos.
 
Como se a chuva passada
trouxesse a luz e a vida,
e revirasse a terra maldita,
de morte eterna manchada.
 
Vermes e múmias aguardam.
 
E, quando reflete o luar,
acordam, esticam e salgam;
os filhos bastardos e sujos
do Carbono e do Amoníaco.
 
Tão Hipocondríacos e Cardíacos.
 
Os nervos tão paralisados
já não sentem mais qualquer dor,
e as juntas travadas, sem fluidos,
rangem como mármore a quebrar.
 
Sem olhos enxergam, sem orelhas escutam.
 
E segue-se enfim madrugada
de corpos putrefos e peitos abertos,
corações sem pulso, aflitos,
recordam amor e feridas.
 
Antes que acabe a noite dos vencidos.