Um Filho de Curió Curioso


“De onde vens, para onde vais?”
“Quem perguntou, quem quer saber?”
“Um filho de Curió Curioso pediu
“Que eu perguntasse a você”
“Quem és tu, quem querias ser?”
“Por que perguntou, por que quer saber?”
“Um filho de Curió Curioso queria
“Que eu indagasse você”
“O quê que tu queres, o que não queríeis mais?”
“Que queres de mim com perguntas tais?”
“Um filho de Curió Curioso pedia
“Que eu soubesse daquilo que você queria”
“Onde vives hoje, em que casa posso bater?”
“Quem és tu que desejas a mim uma visita fazer?”
“É um filho de Curió Curioso que
“Muito lhe quer conhecer”
“Mas de onde vens, pra onde vais?”
“Estou sozinho sem um porquê”
“O filho de Curió Curioso sente
“Muito nisso saber”
“Qual é o teu nome, qual é a tua história?”
“Não sei mais de mim que se ti sei saber”
“Do filho de Curió Curioso só passo
“A mensagem; dele, pra você”
“Que fazes sozinho, sem nada a fazer?”
“Diz quem tu és que lhe digo o porquê”
“Não sou o filho de curió curioso pra
“Que me explique a você”
“Quem és tu que não diz, não responde por que?”
“Diz primeiro que digo eu depois de você”
“Já falei que não eu, mas o filho
“De Curió Curioso quer saber”
“O que queres de si, que não tens de outrem?”
“Enfada falar-lhe sem saber o motivo também”
“O filho de Curió Curioso só
“Muito lhe quer conhecer”
“Vens pro almoço e ficas pro jantar?”
“Onde seria, de quem é o lar?”
“O filho de Curió Curioso e seu pai
“Lhe convidam à noite pousar”
“Vens e descansa, sem reclamar?”
“Por que querem que eu lhes vá visitar?”
“O filho de Curió Curioso queria
“Só lhe fazer descansar”
“Bem, de onde vens, para onde vais?”
“Eu venho do escuro e vou pro silêncio”
“Um filho de Curió Curioso diz
“Que lhe canta pra espantar o tormento”
“Vens e repousa num ninho de seda?”
“Assim, sem saber quem me chama pra ir?”
“Venha sem medo, vem sem demora,
“Que o filho de Curió Curioso já vai partir”
“Vens e depois, segue em viagem?”
“Não tenho dinheiro pra que saia tão tarde”
“O filho de Curió Curioso tem fundos
“E asas, e linho, e sonhos”
“Vamos depressa, que a Lua se esconde à Aurora ”
“Seria seguro seguir-te incógnita?”
“O filho de Curió Curioso diz
“Que venhas sem medo, agora”
“Vamos depressa, que os pássaros cantam sem demora”
“Já não sei quem sou, quem somos, quem és”
“O filho de Curió Curioso também
“Não sabe mais do que cabeça ou pés”
“Vamos depressa, que o Sol brilha em Zênite agora”
“Sem malas, sem roupas, respostas ou chapéu?”
“O filho de Curió Curioso promete
“Que nada lhe falte no céu”
“Vamos depressa, que o Sol já se vai novamente”
“Vamos com ele, vamos correndo!”
“O filho de Curió Curioso já chega
“Voando por cima do vento”
“Venha depressa, que Ele já chega voando por cá”
“Tenho medo que mate-me só de me olhar”
“O filho de Curió Curioso só vai
“Não volta, não mata”
“Vamos depressa, seguindo o caminho do ar”
“Não vejo-o refletido nas ondas do mar”
“Não vês que o filho de Curió Curioso
“Jamais vai chegar?”
“Olhe pra si e repare no bico, nas penas, na voz en-cantada,
“No jeito que pensa, no jeito que fala,
“Nas perguntas que fazes, nas questões que repara,
“Nas dúvidas que tens, sobre si, sobre nada”
“Tu és o filho de um Curió Curioso, e não sabes
“Quem tu és, quem tu querias saber
“E eu sou-te a ti mesmo também
“Que não sabe pra onde vais, de onde vem”
“Agora vem, vem depressa
“Que vamos saber quem seríeis
“Que vamos voar onde podíeis
“E onde não podíeis também”
   
   
     

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s